Quase duas em cada 10 pessoas foram vítimas de assédio sexual no trabalho, diz estudo da APAV

foto canva

Quase duas em cada 10 das 824 pessoas que foram entrevistadas para um barómetro da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) admitiu ter sido vítima de assédio sexual no local de trabalho.

A maioria das pessoas não denunciou, anuncia o Barómetro APAV/Intercampus sobre “Perceção da População sobre assédio sexual no local de trabalho”, publicado esta terça-feira.

Os dados demonstram “uma elevada consciência relativamente às situações consideradas como assédio sexual”, já que “mais de 80% dos inquiridos identifica a quase totalidade das situações expostas como assédio sexual”.

Das 824 pessoas, 18% admitiu ter sido vítima de pelo menos uma situação de assédio sexual no seu local de trabalho, sendo que a maioria são mulheres (88%),com idades entre os 18 e os 54 anos (80%). Também 35,9% dos inquiridos disse conhecer alguém que foi vítima de assédio sexual no local de trabalho.

Entre as 148 pessoas que afirmaram terem sido vítimas, mais de metade (54,7%) disseram que a agressão partiu de um superior hierárquico, enquanto 45,3% afirmaram terem sido assediadas por um colega.

Partilhar:
Subscreva a nossa Newsletter