Duplicaram ocorrências por fogo posto e governo reforça patrulhamento

José Luís Carneiro_Foto Arquivo (Angélica Santos)

O número de incêndios por fogo posto duplicou no último mês e representa agora a causa de 26% das ocorrências, disse hoje o ministro da Administração Interna, que anunciou o reforço da vigilância com 25 patrulhas das Forças Armadas.

“Entre julho e agosto duplicou o número de incêndios e duplicou o número de incêndios cujas causas estão relacionadas com incendiarismo”, disse José Luís Carneiro em conferência de imprensa na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil em Carnaxide, Oeiras (Lisboa).

O ministro da Administração Interna falava aos jornalistas depois de ter participado na reunião do Centro de Coordenação Operacional Nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, acompanhado da secretária de Estado da Proteção Civil, e no final de uma reunião por videoconferência com membros de várias áreas governativas em que se decidiu decretar situação de alerta no continente entre domingo e terça-feira.

De acordo com o governante, o número de incêndios que se suspeita terem sido causados por fogo posto passou de 13% para 26% no último mês. As restantes ocorrências, que representam cerca de 64%, são motivadas pelo uso indevido de fogo ou razões acidentais.

Esse aumento motivou, segundo o ministro, o reforço da vigilância e fiscalização, sobretudo nas zonas do país que têm sido mais afetadas pelos incêndios.
O executivo decidiu empenhar 25 equipas das Forças Armadas no patrulhamento dissuasor, que vão apoiar os 230 postos de vigia da Guarda Nacional Republicana já no terreno e a Polícia Judiciária.

Partilhar:
Subscreva a nossa Newsletter