Bruno Pereira analisa problema da mobilidade

imagem DR

A Semana Europeia da Mobilidade teve início esta quinta-feira, dia 16. O candidato à Câmara de Matosinhos pelo PSD/CDS-PP, Bruno Pereira, entende que este tema é, hoje, «absolutamente indispensável para analisar a qualidade de vida dos cidadãos. É cada vez mais comum estudar ou trabalhar fora da freguesia, concelho ou, em não raros casos, até do distrito de residência. Uma mobilidade mal planeada pode colocar entraves fortes ao bem-estar da sua população».

E aponta Matosinhos como apresentando «uma oferta fraca a todos os níveis da mobilidade. Independentemente da modalidade de transporte utilizado, a dificuldade do matosinhense comum em se deslocar para o trabalho é notória: de carro, os matosinhenses pagam taxas para se deslocar dentro do seu próprio concelho. Noutras circunstâncias, têm de escolher entre uma autoestrada que tantas vezes se encontra saturada ao nível do tráfego automóvel ou colocar as suas esperanças numa ponte móvel que avaria vez após vez».

A coligação PSD/CDS-PP “Matosinhos, o Futuro é Agora!” apresenta propostas «concretas» que visam resolver o problema da «caótica mobilidade de Matosinhos, para que o nosso concelho seja mais amigo de quem se tem de deslocar».

Bruno Pereira adianta que a coligação defende, em primeiro lugar, a expansão do metro para pontos do concelho aos quais este ainda não chega, assim como “afundar” o metro em zonas fulcrais para a mobilidade. Quer ainda colocar a linha do metro «subterrânea em determinados espaços libertaria pontos fulcrais onde há conflito rodoviário, metro e pedonal com a travessia destes em simultâneo, revezando-se e atrasando-se mutuamente».

Em segundo lugar, prossegue Bruno Pereira, «defendemos que a Estrada da Circunvalação deve ser completamente requalificada, de forma a tornar-se numa alameda urbana». Localizada numa área habitacional, esta estrada precisa de facilitar a mobilidade “suave”, criando mais passeios e outros equipamentos que permitam a utilização de bicicletas ou trotinetes. Para tal, «Matosinhos deve trabalhar e em rede e em cooperação com os restantes atores que precisam de intervir neste processo».

Estas duas medidas são exequíveis, garante Bruno Pereira, e teriam um «profundo e positivo impacto na qualidade de vida de todos os matosinhenses que continuam a ver a mobilidade como o maior problema deste nosso concelho».

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter