Universidade do Porto desvenda mecanismo que permite mamífero regenerar sistema nervoso central após lesão

imagem Wikipedia

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto desvendaram, num animal mamífero, os mecanismos moleculares que permitem regenerar o Sistema Nervoso Central após uma lesão da medula, foi hoje anunciado.

O estudo, publicado na revista científica ‘Developmental Cell’, revela os mecanismos moleculares que permitiram ao ratinho espinhoso (Acomys cahirinus) regenerar a espinhal medula após uma lesão.

A descoberta “vem revolucionar um antigo paradigma”, uma vez que até hoje não se conhecia nenhum mamífero capaz de regenerar o Sistema Nervoso Central e recuperar a mobilidade após uma lesão da medula, salienta o instituto em comunicado.

“Quebra-se assim uma enorme barreira no desenvolvimento de terapias para lesões imobilizantes”, observa.

A regeneração do sistema nervoso central em mamíferos adultos é “virtualmente impossível” pela incapacidade de os neurónios afetados reconstituírem os axónios afetados quando ocorre uma lesão, resultando numa paralisia dos membros.

No decorrer da investigação, verificou-se que no local da lesão na medula do animal ocorria uma “regeneração robusta de axónios, permitindo a formação de sinapses e propagação de sinal eletrofisiológico”, algo que o instituto salienta ser “único entre os mamíferos”.

Os investigadores descobriram que é ativada uma via biossintética no animal que permite a formação de proteínas com uma assinatura de açúcares específica, e que essas proteínas “parecerem ser a chave para a capacidade pró-regenerativa”.

“Em contraste com outros mamíferos, o Acomys cahirinus desenvolve um tecido pró-regenerativo sem cicatrizes no local da lesão, proporcionando uma continuidade estrutural única da geometria inicial da medula espinhal”, esclarece o i3S, lembrando que, normalmente, após uma lesão, os mamíferos ficam com uma cicatriz que os axónios são incapazes de ultrapassar.

Citada no comunicado, a coordenadora do estudo, Mónica Sousa, esclarece que as lesões da espinhal medula afetam os axónios que fazem circular informação do corpo para o sistema nervoso central e vice-versa, “isolando os órgãos da central de processamento de informação”.

“Conhecem-se seres com capacidade regenerativa de membros inteiros, como o caso de alguns anfíbios, mas pensava-se que todos os mamíferos adultos perdiam por completo a capacidade regenerativa do Sistema Nervoso Central”, refere.

Mónica Sousa salienta ainda que as descobertas no processo regenerativo da espécie representam “um momento de mudança para a investigação biomédica na área de regeneração”.

“Até hoje tinham-se feito avanços na compreensão da função de algumas proteínas que auxiliavam no processo regenerativo, mas o Acomys permitiu-nos perceber que é preciso olhar para a assinatura dos açúcares presentes e para a sua biossíntese, o que irá alavancar o que se faz nesta área”, acrescenta.

Também a primeira autora do estudo, Joana Nogueira-Rodrigues, refere que o ratinho espinhoso é “uma exceção entre todos os mamíferos”, ao ser capaz de restaurar a função locomotora após uma lesão grave da espinhal medula.

Já os investigadores da Universidade do Algarve Gustavo Tiscornia e Inês Araújo reforçam que o ratinho espinhoso é “um mamífero extraordinário, pois a sua capacidade regenerativa também se verifica noutros sistemas e órgãos, como pele, orelhas e músculos”.

O estudo contou com a colaboração de investigadores da Universidade do Algarve, de várias equipas do i3S e com o apoio financeiro da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e da ‘Wings for Life’.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter