Luísa Salgueiro oficializa compromissos para mais quatro anos em Matosinhos

 

Luísa Salgueiro, a candidata pelo Partido Socialista à Câmara Municipal de Matosinhos, reafirma os compromissos para o próximo mandato, uma continuidade do trabalho desenvolvido nos últimos quatro anos, assente na trilogia: Matosinhos Inclusivo, Sustentável e Inteligente.

O programa e os compromissos assumidos pelo Partido Socialista de Matosinhos reconhecem os estrangulamentos estruturais existentes no concelho e antecipam a identificação das carências para fazer face às transformações em curso: “Nos últimos quatro anos fomos capazes de iniciar muitos projetos com impacto na vida da nossa comunidade e vamos continuar a trabalhar para construir um Matosinhos de futuro, de progresso e de desenvolvimento, onde todos os cidadãos têm as mesmas oportunidades.”, afirma Luísa Salgueiro.

Matosinhos quer alcançar a liderança na transição digital, uma aposta muito forte nesta que é a primeira zona livre tecnológica do país e a primeira a estar integralmente coberta pelo 5G. Será elaborado um Plano Municipal para as Competências Digitais orientado para três públicos prioritários: jovens em idade escolar, para garantir formação em computação e programação; desempregados de longa duração, de forma a permitir uma absorção mais rápida no mercado de trabalho; sem esquecer a população sénior, de forma a combater o isolamento e a ausência de atividades cognitivas.

Nos últimos anos, Matosinhos apresentou uma elevada capacidade para atração de uma nova geração de empresas apostadas na transição energética e digital. “Queremos por isso, afirmar ainda mais os clusters da mobilidade, da tecnologia e da energia. Colocaremos a transição energética, essencial para fazer face à emergência climática, ao serviço da economia e da criação dos chamados empregos verdes, de forma a aumentar a capacidade de fixação de jovens talentos, aproximando a oferta da procura em termos de mão-de-obra”.

Salgueiro pretende ainda apostar na criação de um Parque Tecnológico, “transformando o encerramento da refinaria num novo projecto-âncora (Centro de Inovação da Energia e do Mar, com a Universidade do Porto) que vai atrair investimento qualificado e criar milhares de novos postos de trabalho. Numa primeira fase, graças ao Fundo para a Transição Justa, e posteriormente pela utilização de financiamento público, comunitário e privado – num horizonte de 8 anos – de 500 milhões de euros”.

O cluster do mar será afirmado com novas instalações para o CIIMAR (Centro Interdisciplinar para a Investigação Marinha), em articulação com a Universidade do Porto e criar um centro de competências do mar, integrando a Universidade do Porto e a FORMAR. Também em articulação com a DOCAPESCA, é proposta a construção de um novo mercado de segunda venda de peixe.

A integração social é área de extrema importância, propondo-se a assinatura de um contrato de delegação de competências com o Instituto da Segurança Social de forma a centralizar toda a resposta social na autarquia num modelo integrado entre as políticas sociais, de emprego, de educação e de saúde. Luísa Salgueiro pretende ampliar a bolsa de cuidadores e a construção de quatro novos lares, bem como o reforço do Fundo de Emergência Municipal.

Na área da habitação, serão garantidas mais habitação a preços acessíveis – garantindo 500 contratos de renda acessível em privados e 319 em fogos públicos até 2025. E nas novas habitações do programa 1º Direito será assegurado o conforto térmico para cerca de mil beneficiários.

No espaço público, estão previstos os novos Parques Urbano de São Mamede Infesta, de São Gens, da Arroteia e dos caminhos rurais de Perafita, Santa Cruz do Bispo e Lavra, bem como a ampliação da rede de espaços verdes com o Parque Real, Parque da Paz e Parque do Monte Castelo.

A mobilidade será outra aposta, com redução de tarifas assegurando o passe único municipal e o metropolitano 192, garantindo por outro lado a linha de transporte público em modelo metrobus que ligue Matosinhos, Leça da Palmeira e o Norte do concelho até ao aeroporto, a linha de Leixões para o uso de passageiros, e ainda abolir os pórticos nas SCUT no interior do concelho e construir em articulação com o Governo a nova linha de metro que liga Senhora da Hora e São Mamede Infesta.

Outro objetivo da candidata do PS é renegociar a Lei das Finanças Locais para que seja possível a transferência de uma quota das receitas do imposto sobre o carbono para o Fundo Ambiental Municipal 195. “Queremos tornar Matosinhos num concelho neutro de carbono até 2040”, conclui a candidata socialista.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter