GNR reforça patrulhamento no âmbito da operação “Natal e Ano Novo 2021”

GNR regista 677 acidentes e três mortos na operação Natal até às 17h00 de ontem
Foto: GNR

A Guarda Nacional Republicana (GNR) vai intensificar o patrulhamento rodoviário no país até 2 de janeiro nas vias de maior tráfego no âmbito da operação “Natal e Ano Novo 2021”, foi esta quinta feira divulgado.

A Guarda vai também ter atenção ao cumprimento das medidas sanitárias decretadas para o estado de calamidade e sensibilizar as pessoas para a segurança das suas habitações, caso se ausentem.

Durante a operação, que já começou na segunda feira, com ações de sensibilização, a GNR vai reforçar o patrulhamento de forma a garantir as deslocações durante as festividades em segurança, contribuindo ainda para o cumprimento das medidas necessárias à contenção da covid-19, em todo o território nacional, adianta a GNR em comunicado.

A operação visa combater a criminalidade e intensificar o patrulhamento rodoviário nas vias de maior tráfego, e de sua responsabilidade, durante este período.

Segundo a GNR, a operação visa ainda garantir o cumprimento dos normativos decretados na situação de calamidade e sensibilizar a população para que se abstenha de ações, atitudes e comportamentos que poderão, de alguma forma, potenciar a propagação do vírus, através de uma presença dissuasora, interventiva e preventiva.

No âmbito da prevenção e sensibilização, antes das festividades de Natal e Ano Novo aconselha as pessoas que vão ausentar-se por vários dias a informar a autoridade policial da sua zona de residência, para que se consiga orientar o patrulhamento para estes locais.

Ainda sobre o combate à sinistralidade rodoviária, a GNR estará atenta aos comportamentos de risco dos condutores, nomeadamente o excesso de velocidade, as manobras perigosas, a correta sinalização e execução de manobras de ultrapassagem, de mudança de direção e de cedência de passagem, a utilização indevida do telemóvel, à circulação correta na via mais à direita em autoestradas e itinerários principais e complementares, bem como à incorreta ou à não utilização do cinto de segurança e/ou dos sistemas de retenção para crianças.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter