Comissão de trabalhadores da Petrogal pede reabertura da refinaria de Matosinhos

Refinaria de Matosinhos. CDU e PSD consideram solução "mão cheia de nada"
Imagem DR

A Comissão Central de Trabalhadores (CCT) da Petrogal pediu hoje a reabertura da refinaria de Matosinhos, considerando que a anunciada cidade da inovação a construir no local “mostra a imensa tragédia” do encerramento da estrutura.

“É hora de reabrir a refinaria e investir a sério na sua dinamização, bem como na refinaria de Sines, sem nos cansarmos de alertar serem aqueles investimentos urgentes e inapeláveis para assegurar e prepará-las para a transição energética”, afirma CCT da Petrogal, em comunicado hoje enviado às redações.

Considerando que, “passado mais de um ano, a administração desvendou a peça que faltava no puzzle do encerramento da refinaria” localizada no distrito do Porto, a CCT classifica o processo de encerramento da estrutura como um “crime económico e social em nome da transição energética que já ficou mais que demonstrado ter servido apenas como um ecrã para ocultar as verdadeiras razões”.

Na quarta-feira, a Galp, a Câmara de Matosinhos e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) anunciaram que a antiga refinaria de Matosinhos vai dar lugar a uma cidade da inovação ligada às “energias do futuro”.

A CCT, que afirma ainda não ter tido acesso ao protocolo celebrado entre as partes, afirma que o que se sabe para já “não passa de um processo de intenções recheado de lugares-comuns”.

Contestando o encerramento, a CCT considera que os combustíveis produzidos na refinaria “vão ser necessários nos próximos anos e continuam a ser o eixo principal do desenvolvimento económico, e produtos químicos e óleos-base que alimentavam muitas empresas na região e passaram a ser importados”, bem como “milhares de toneladas de combustíveis”.

A CCT acusa a Galp de querer “fazer um condomínio à beira-mar plantado com um ‘green park’ [parque verde]”.
Os trabalhadores notam ainda a “perfeita coordenação entre todas as entidades públicas e a administração para destruírem empregos presentes – 5.000 – tendo como contrapartida a criação hipotética de outros no futuro e aí não há limite para o delírio”.

Segundo o protocolo, a cidade da inovação que irá surgir na antiga refinaria da Galp, em Matosinhos, poderá gerar 20 a 25 mil empregos diretos e indiretos em 10 anos, estando ainda prevista a colaboração da Universidade do Porto no projeto.

“Ainda ninguém se referiu aos trabalhadores da refinaria, aqueles que foram empurrados para rescisões por mútuo acordo, os despedidos e os que estão a aguardar por nova colocação, em concreto, a necessidade impreterível de todos serem reintegrados na empresa, assim o queiram”, pode ler-se no texto.

A CCT considera ainda que “a tragédia maior é a confirmação do caráter rentista dos grupos económicos – capitalistas – ditos nacionais como o grupo Amorim a quem a Galp foi entregue de bandeja que prefere fazer dinheiro fácil sem investimento e cujo exemplo é este trágico episódio a norte”.

“A antevisão dos principais itens operacionais e do aumento dos dividendos já anunciados pela administração confirmam que há um impacto significativo do encerramento da refinaria do Porto nos resultados da empresa, que a CCT estima em mais de cem milhões de euros (em 2022)”, referem os trabalhadores, assinalando também “o aumento das margens de lucro dos combustíveis”.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter