Primeiro orçamento do mandato em Águas Santas provocou choque entre PS e PSD

imagem de arquivo

Na última Assembleia de Freguesia de Águas Santas a bancada da oposição (coligação Maia em Primeiro – PSD/CDS-PP) votou contra o orçamento do executivo, liderado pelo socialista Miguel dos Santos. Agora os deputados socialistas na Assembleia de Freguesia emitiram um comunicado repudiando “a posição pública do PSD acerca da votação do Plano e Orçamento da Freguesia de Águas Santas”.

No comunicado assinado por Rui Soares, o líder do grupo do PS na Assembleia de Freguesia, pode ler-se que, «com a posição pública do PSD, que reduz a sua posição num orçamento de mais de 950.000 Eur, a uma decisão que representa menos de 3% do orçamento, fica claro que aquilo que desejam é fazer política de soundbites, enganar os aquissantenses e tentarem o seu “momento de fama”, procurando com isso desviar as atenções e “levantar poeira” num orçamento claro, transparente, tecnicamente bem elaborado e que responde às prioridades definidas por quem diariamente anda no terreno e conhece as necessidades da nossa freguesia».

Em causa está a compra de uma viatura de 5 lugares no valor de 30 mil euros, que o PSD considera de «luxo», que, de acordo com o comunicado emitido Coligação Maia em Primeiro eleita na Assembleia de Freguesia de Águas Santas, após a Assembleia, «não servirá a Freguesia nem os Aquissantenses, mas sim apenas e só o seu Presidente e executivo da Autarquia».

 

O grupo de Maia em Primeiro na AF de Águas Santas explicava ainda que a oposição «fez chegar ao Senhor Presidente da Junta de Freguesia várias propostas», tal como «a criação de um serviço de transporte a pedido, adquirindo para isso uma viatura de nove lugares».

 

Na Assembleia do dia 28 de dezembro, explica o comunicado dos social democratas, «a Coligação Maia em Primeiro voltou a questionar o porquê de não se adquirir uma viatura de 9 lugares que serviria para esse efeito que aplaudimos, e que esperamos ver terminada o mais breve possível e até futuramente para servir as instituições e os clubes da Freguesia, já que o transporte a pedido não era um projeto do Partido Socialista».

 

No seu comunicado, o grupo liderado por Ivo Ribeiro, conclui que «a Coligação Maia em Primeiro votou contra, apenas e só, pelo facto de o Sr Presidente da Junta de Freguesia de Águas Santas, não revogar a sua decisão e querer adquirir uma viatura (carro de 5 lugares), de luxo no valor igual ou superior a 30.000 euros, viatura essa que no nosso entender não servirá a Freguesia nem os Aquissantenses, mas sim apenas e só o seu Presidente e executivo da Autarquia».

Perante esta polémica, o grupo do PS na Assembleia refere que «os eleitos do PSD» deveriam pedir «publicamente desculpa ao Presidente da Junta», Miguel dos Santos e clarifica, no comunicado, que nos fez chegar à redação, que afinal a situação está a ser empolada ou, pelo menos, mal contada.

«A Junta de Freguesia, conhecedora dos números de pedidos e das necessidades propôs à Assembleia a aquisição de uma viatura de 5 lugares, a qual permitirá uma maior flexibilidade na resposta aos pedidos da população e uma maior capacidade aos serviços da Junta de Freguesia nos seus serviços do dia-a-dia, uma vez que esta Junta de Freguesia tem apenas ao serviço uma viatura de dois lugares e estava a assegurar em alguns casos, o transporte de pessoas com uma carrinha de trabalho (…) dedicada aos serviços operacionais de rua».

A compra da viatura proposta pelo autarca Miguel dos Santos traria também flexibilidade na «capacidade de meios humanos para assegurar o transporte». O comunicado refere ainda que, na Assembleia, o executivo explicou com clareza «as preocupações sustentáveis» com a «vontade de adquirir uma viatura elétrica, o que diminuirá significativamente os custos de combustível e as emissões gasosas associadas às deslocações». E esclarece que foi explicada a «intenção» de a «compra desta viatura» ter «enquadramento nas linhas de financiamento e de apoio atualmente existentes, garantindo que a aquisição será até por um custo inferior ao orçamentado».

Pedindo «dignidade» e «seriedade» na política, este comunicado do PS de Águas Santas acusa o PSD de mentir sobre a proposta que antes havia apresentado: «A proposta feita pelo PSD em sede de Estatuto de Oposição foi a da aquisição de um autocarro! Se se quer ser sério tem de se ser sério desde o início e dizer a verdade! Será que os eleitos do PSD perceberam que a sua proposta da aquisição de um Autocarro era desenquadrada da realidade? Ou será que se a Junta de Freguesia tivesse proposto a aquisição de uma carrinha de 9 lugares, manteriam a proposta do Autocarro?»

Os socialistas concluem apontando que «fica bem patente que o PSD está aqui apenas para fazer política do espetáculo», algo que consideram que «não é política que serve as populações».

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter