Presidentes das Juntas de Pedrouços e de S. Pedro Fins (Maia) terminam carreira política

Fotos de Arquivo

Os presidentes de Junta de Pedrouços e S. Pedro Fins, Joaquim Araújo e Alvarinho Sampaio, respetivamente, são os únicos dois autarcas da equipa da Coligação Maia em Primeiro (PSD/CDS) que se despedem este ano.

Joaquim Araújo não entra na corrida às Autárquicas 2021 por ter atingido o limite de mandatos por lei (três), enquanto Alvarinho Sampaio cumpriu oito anos (dois mandatos), mas não se recandidata por opção pessoal.

Em entrevista ao Primeira Mão, Alvarinho Sampaio afirma: “foi uma opção pessoal, porque entendo que pessoas mais novas devem fazer parte da comunidade e dar o seu contributo, com ideias mais jovens, outras maneiras de pensar e a idade também já começa a pesar e já não me estava a sentir muito confortável para abraçar outro mandato”. O autarca tem 77 anos e diz que já estava na altura de dizer basta…

O presidente da Junta de S. Pedro Fins assegura que não tem projetos para o futuro, que continuará atento e “disponível para dar todo o meu apoio a quem me seguirá”.

O importante, frisa Alvarinho Sampaio, é sair com a consciência tranquila: “servi a comunidade sem nunca dela me servir”.

No que a um balanço dos seus mandatos diz respeito, Alvarinho Sampaio destaca que a obra mais emblemática do mandato anterior foi o Centro de Dia, que veio dar “melhores condições e mais valências à população. Era um projeto que logo no início do mandato começou a pensar-se e concretizou-se”.

É também o âmbito social do seu trabalho na Junta de Pedrouços que Joaquim Araújo salienta pouco tempo antes da saída.

Este autarca já atingiu o limite de três mandatos que a lei impõe, seguindo agora com a sua vida empresarial e dando abertura para a candidatura de Isabel Carvalho, atualmente elemento do seu executivo.

Ao Primeira Mão, Joaquim Araújo afirma-se orgulhoso “do trabalho e desta caminhada de longos anos que foi percorrida. Faço um balanço positivo. Uma freguesia nunca para e os seus projetos também não, passando de uns mandatos para outros e foram feitas muitas obras, muitas iniciativas, demos resposta a todas as camadas sociais da população”.

Os motivos de orgulho, Araújo estende-os também à sua equipa: neste “trabalho contei com os meus colegas do executivo, foi positivo”.

Especificando, as obras mais emblemáticas, Joaquim Araújo destaca “o acesso pela circunvalação à freguesia de Pedrouços. Foi uma obra importantíssima. A construção do Pavilhão Desportivo, era uma coisa que se esperava há mais de 20 anos e foi concretizada”.

Ainda assim, sublinha o autarca, “mais importante que essas obras, as chamadas obras do alcatrão, a obra mais importante é a obra social. A do apoio às pessoas. Penso que correu muito bem, foram sempre feitos encaminhamentos com assistentes sociais, com todos os projetos no terreno…essa obra que não se vê, para mim, é a mais importante”.

“Dar resposta aos problemas sociais das pessoas é a maior obra que podemos ter no nosso exercício”, rematou Joaquim Araújo.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter