Presidente da Câmara da Maia ameaça ir para tribunal se a Brisa não acabar o alargamento da A4

Foto: reprodução vídeo RTP

 

O arrastar da obra desde 2015 é uma “vergonha”, classificou o presidente da Câmara da Maia, Silva Tiago.

O alargamento da A4 às portas do Porto continua por completar. A obra entre Águas Santas, concelho da Maia, e Ermesinde, concelho de Valongo, começou em 2015 e deveria estar pronta em 2017.

Entre 2017 e 2018 a obra parou por causa de uma impugnação judicial.

Agora a Brisa compromete-se a concluir a empreitada até final do ano. Mas o presidente da Câmara da Maia já vai avisando que avançará judicialmente se a concessionária não cumprir o novo prazo.

Silva Tiago afirmou esta semana que estas são “obras de Santa Engrácia, nunca mais acabam, e quem padece é a comunidade, neste caso, o município da Maia e também o município de Valongo, pois o trânsito e os congestionamentos são imensos”.

O responsável pela Brisa, Manuel Melo Ramos, assegurou em entrevista à RTP, que o foco da concessionária “está totalmente na conclusão da obra em dezembro deste ano, é para isso que estamos a trabalhar e muito empenhados”.

Melo Ramos reconheceu “vicissitudes” na obra, que, frisou, “não dependeram de nós”.

Silva Tiago foi categórico nas declarações, caso a Brisa não acabe com esta “vergonha” até ao final do ano, “nós cá estamos e, se necessário colocaremos quem de direito em tribunal”.

 

Região norte e Madeira com as maiores quebras de natalidade em 2021

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter