Maiato e atleta do FC do Porto continua com apelo para conseguir casa adaptada

Rui Pedro Ribeiro

Rui Pedro Ribeiro, de 24 anos, é de Milheirós, Maia, e continua a sua campanha de angariação de apoios para onstruir uma casa adaptada, que lhe permita liberdade de movimentos, já que tem incapacidade de 85%.

 

Rui Pedro Ribeiro, atleta de boccia do Futebol Clube do Porto, sofre de Distrofia Muscular de Duchenne. A sua cadeira eléctrica adaptada dá-lhe alguma liberdade de movimentos mas a casa onde vive não está adaptada à sua condição, causando-lhe inúmeros constrangimentos e Rui decidiu lançar um crowdfunding para construir uma casa à sua medida e “uma vida mais digna”.

 

Este atleta de 24 anos, natural de Milheirós, na Maia, escreve na página da sua campanha que está determinado a não deixar que a doença degenerativa que o afecta controle a sua vida. “A minha incapacidade é de 85%, mas isso não me impede de ser atleta federado pelo FCPorto na modalidade Boccia, e frequentar o 2ª ano da Licenciatura em Contabilidade e Administração no ISCAP.”

 

No entanto, a casa onde reside com a mãe e a irmã não lhe oferece condições dignas de vida, explica. “Não tenho wc adaptado, para poder ir ao wc tenho de ficar com a cadeira de rodas no corredor, a minha mãe tem de pegar em mim ao colo, a porta do wc também é estreita. Depois de ter partido a perna deixei de ter confiança para tomar banho no wc e agora tomo banho na cama porque tenho medo de me magoar outra vez.”

 

“Temos procurado encontrar um apartamento adaptado, mas ainda não encontrámos, os quartos são pequenos, as casas de banho não estão adaptadas, nos elevadores não cabe a cadeira e outra pessoa”, revela o jovem atleta.

 

“Por isso decidi divulgar a minha história para ver se consigo angariar dinheiro para comprar um terreno e construir uma casa adaptada à minha condição onde possa viver junto da minha família”, explicando o objetivo da sua campanha agora criada na plataforma GoFundMe.

 

Rui Pedro Ribeiro “gostava de ter mais autonomia, poder circular pela casa sem correr o risco de me magoar”. Conta já com o apoio de “dois arquitetos que oferecem o projeto de arquitetura, uma empresa imobiliária que se disponibilizou para ajudar na negociação do terreno, uma empresa de construção que se comprometeu a oferecer os muros, entre outros.”

 

Espera, com esta campanha, conseguir reunir cerca de 26 mil euros, montante que lhe permitirá finalizar a compra de um terreno. Mas, frisa, “toda a ajuda é bem-vinda, quem não quiser ou puder contribuir monetariamente pode sempre contribuir com serviços, vamos precisar dos projetos de especialidades, levantamento topográfico, materiais e mão-de-obra para a construção.”

 

Um dos vídeos do Rui Pedro na plataforma dá conta das dificuldades de sair do banho:

 

 

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter