João Borges (PAN) defende que fundos do PRR devem ser aproveitados para combater “alterações climáticas” – entrevista com Podcast

João Borges, candidato pelo PAN
João Borges, de 35 anos, técnico de Artes Gráficas, é o candidato à Câmara da Maia pelo PAN – Pessoas, Animais e Natureza.
O PAN quer estar em “todas as frentes” e tenta alargar a sua presença a todos os municípios, afirma João Borges, que se juntou ao Partido há cerca de um ano aquando da formação da Comissão Política na Maia. Para ele, fazia todo o sentido essa ligação, dado o trabalho que vinha a fazer no âmbito do Voluntariado. “Senti que fazia falta algo mais na Maia”, frisa o candidato.
No atual mandato, o PAN manteve a presença de uma deputada na Assembleia Municipal, que ajudou “nalgumas melhorias no Canil e no programa CED com os animais de rua”, pelo que “queremos dar continuidade ao trabalho” da deputada Clara Lemos.
Meta principal é Assembleia Municipal
A principal meta em termos políticos será melhorar a representatividade na Assembleia Municipal da Maia, onde há quatro anos conquistaram um mandato, tendo presente que a conquista de um lugar na Câmara pelo PAN será mais difícil. Ainda assim, João Borges afirma que, “como Câmara Municipal, há muitas melhorias que se poderiam fazer, definindo uma prioridade na política de proteção dos animais”.
Da experiência que tem como voluntário no apoio aos animais, Borges salienta que se nota pouco apoio da Câmara da Maia às associações desta área. Quer um incremento ao apoio ao programa CED, de controlo de colónias de gatos de rua, que “está muito atrasado e não se compreende esta situação”, critica.
Aponta a existência de várias matilhas no concelho, “grupos de cães que circulam e torna-se necessário sinalizá-los, criando os parques de matilhas para melhor cuidar” deste animais.
“Igualdade” é essencial

 

Mas a política é, acima de tudo, dirigida às pessoas e o PAN também tem muitos temas que quer discutir e melhorar, como a “coesão social”, melhorar “a vida dos jovens, melhorar o acesso à habitação”, que “na Maia já é um problema enorme”.
“Igualdade” é essencial, sublinha Borges, para que todas “as pessoas possam ter uma vida digna”.
A Natureza é outra das preocupações do PAN, que defende “parques de proximidade, temos que evitar que as pessoas peguem no carro para ir a um parque urbano”, contrariando hábitos causadores de poluição. João Borges constata que “há muito cimento aqui na Maia, é normal abater-se muitas árvores para construir estradas e não é feita a compensação a curto prazo, o que é muito mau, dado “o tráfego que há” aqui no concelho. Deve haver “alternativas a curto prazo para combater também as alterações climáticas”, advoga João Borges.
O candidato pelo PAN à Câmara da Maia defende que as verbas do PRR – Plano de Resolução e Resiliência devem ser bem aproveitadas para preparar o concelho para “combater as alterações climáticas”.

A “Maia só tem que aproveitar” esses fundos e trabalhar em aspetos como “tornar os edifícios públicos mais eficientes energeticamente, apostar em veículos elétricos, reflorestar, apostar em mobilidade suave”, defende Borges, que nota ainda existir uma grande “aposta no transporte individual”, sendo necessário dar em todo o concelho mais “opções ao automóvel”.
Para o candidato as verbas do PRR podem também ser aproveitadas para ajudar os particulares a “tornarem as suas habitações mais eficientes em termos energéticos”.
A ser eleito, João Borges, pretende deixar uma marca de “visão de futuro” para a Maia: “a união de todas as nossas preocupações com o ambiente, com a sociedade e animais e que tudo seja harmonioso entre si sem descurar nada. Esse é o nosso objetivo”.
O PAN apresenta ainda a candidatura à Assembleia Municipal da Maia, cuja cabeça de lista é Paula Costa, e à Assembleia de Freguesia da Cidade da Maia, cuja cabeça de lista é Anabela Castro.

 

Entrevista na íntegra (áudio):

 

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter