Centro de investigação de Vila do Conde com apoio europeu de 120 milhões para projeto ambiental

Centro de investigação de Vila do Conde com apoio europeu de 120 milhões para projeto ambiental
polo_vairao_01

O Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), em Vairão, Vila do Conde, viu aprovada uma candidatura europeia a um projeto ambiental que contempla uma bolsa a 10 anos de 120 milhões de euros.

 

A notícia foi dada pela presidente de Câmara, Elisa Ferraz, na cerimónia de entrega das medalhas de mérito no dia de S. João, quando a autarquia condecorava o biólogo e diretor do Centro, Nuno Ferrand.

Elisa Ferraz explicou que no CIBIO se desenvolve um trabalho “absolutamente extraordinário” a nível da investigação ambiental de profissionais de todo o mundo e acrescentou que com esta bolsa de 120 milhões de euros empregues em Vila do Conde para grandes projetos ligados ao ambiente, se ajuda a construir um futuro mais sustentável.

 

Nuno Ferrand, natural de Lisboa e residente em Vila do Conde há 25 anos, acrescentou que este projeto da Biopólis que ganhou a bolsa é o “maior programa de ciência jamais trazido para o país”.

É um projeto “único” a desenvolver na próxima década e que “combina pela primeira vez todos os setores da sociedade em que nos organizamos”, ou seja, irão estar reunidos em Vairão os cientistas, o estado [ministério do ambiente, ciência e agricultura] o setor empresarial e a sociedade civil [fundações, museus, organizações não governamentais, etc], explicou o biólogo.

Nuno Ferrand concretizou que através do Biopólis “iremos olhar com especial relevância para Vila do Conde e teremos uma equipa mista com a Câmara Municipal, que estamos já a construir. Vamos olhar para a paisagem, para o território e para o património de maneira diferente do que tem sido feito. Fica o compromisso de que vamos fazer deste um dos maiores centros de investigação do mundo”.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter