Alunos da Maia “querem construir paredes com um propósito”

Alunos B&B 2

Realizou-se no dia 8 de junho, Dia Mundial dos Oceanos, a primeira competição europeia do projeto Euronext Blue Challenge, onde a mini-empresa constituída por alunos do Colégio Novo da Maia, a Team B & B, alcançou o terceiro lugar na final internacional, com o seu produto “BLOCK & BRICK”.

A “Team B & B” é também vencedora do projeto Euronext Blue Challenge – Portugal, posicionando-se entre as TOP-25 empresas da Junior Acheivement, a nível nacional. O Primeira Mão acompanhou a entrega do prémio relativo a esta competição e aproveitou para falar com a equipa.

A Junior Achievement é uma organização mundial centenária e este ano foi a primeira vez que a JA Europe (Junior Achievement Europa) se uniu à Euronext, num projeto piloto. Segundo Michael Cunha, professor de economia da “Team B & B”, “este concurso é a ligação entre o blue economy e a junior acheivement”, com o propósito de “construir uma empresa de raiz”. Assim surgiu a mini-empresa “Block & Brick”, constituída por Afonso, Ana, Maria e Gabriela, alunos do ensino secundário, todos com 16 anos.

“Pequenos” empresários maiatos

Afonso recorda que foi a disciplina de economia que lhes deu a oportunidade de integrar o programa, que consiste também na criação de “um produto para venda”.

Inicialmente, a equipa idealizou integrar a resina como constituinte principal do produto, devido à leveza do material. No entanto, explica, “a resina é caríssima” e o custo de produção seria muito elevado. A “Team B & B” arranjou então, duas alternativas: o bloco e o tijolo 100 % sustentáveis, constituídos por plástico reciclado triturado e por cimento de calcário branco. “Um bloco dos nossos custa cerca de 70 cêntimos e se fosse de resina custaria 20 ou 30 euros”, exemplifica.

Para além disto, a equipa já está a trabalhar no isolamento do produto através de experiências combinatórias com cortiça, caixas de ovos e pneus. Segundo Ana, “o nosso objetivo é com estes blocos 100 % sustentáveis, ajudar a construir casas para os mais necessitados e, ao mesmo tempo, reduzir o número de plástico na terra e nos oceanos”.

 

Um começo atribulado

Os alunos começaram a trabalhar no projeto, no início deste ano letivo e, decorrente da pandemia, viram-se obrigados a pôr mãos à obra e a construir os produtos de forma artesanal, nas suas casas. “Foi difícil, porque muitas lojas estavam fechadas e os nossos patrocinadores não queriam colaborar connosco por causa da Covid”, refere Ana. No entanto, não desistiram e com a ajuda do professor, Michael, e dos mentores, Ricardo e Sandra, criaram um “produto que combina o blue economy e o green economy”.

Após o período experimental, em que se realizaram vários testes com os materiais, a equipa submeteu o projeto à fase de pré-seleção. Michael Cunha explica que “depois houve uma fase de seleção através de um projeto da Dreamshaper, que deu uma análise completa, através de um relatório financeiro, económico e também de outras partes em termos sociais, e claro, valorizando a blue economy, para ver se o projeto avançava. Receberam a chamada e foram diretamente para a final”.

“Não estávamos nada à espera”, revela o professor.

Os alunos da Maia são representantes nacionais 

Depois do êxito na competição nacional, a “Team B & B” foi representar Portugal na competição europeia do projeto Euronext Blue Challenge, onde alcançou o terceiro lugar do pódio. “No europeu, é a liga dos campeões, como se o diz. Estamos a competir com outras escolas de outros países. É tudo em inglês e para além de ter uma parte de apresentação, onde subtemos os formulários relativos ao produto e à estratégia, o concurso tem duas questões sobre o produto que têm de ser respondidas pelos alunos em 2 minutos”, elucida Michael Cunha.

Para a “Team B & B”, este prémio “significou muito, porque estamos a representar o nosso país e isso é um orgulho para nós”, afirma Maria. “Que venham mais conquistas pela frente”, Ana completa e frisa que “o nosso objetivo não é parar por aqui, mas sim comercializar este produto e, quem sabe, ir a outros concursos e também ganhar”.

Produto 100% sustentável criado pela equipa, gera interesse de outras empresas

Relativamente ao futuro da “Block & Brick”, todos se sentem bastante positivos e motivados a continuar com este, e outros projetos. De acordo com Ana, “a Universidade de Engenharia do Porto já nos está a testar o produto, para ver se é possível lançá-lo para o mercado”. No entanto, a “Team B & B” já captou a atenção de outras pessoas. Como explica Michael Cunha, “existem duas empresas, uma de construção e outra de matérias-primas, que estão interessadas no nosso produto”.

Apesar de ainda bastante novos, os alunos que formam a “Team B & B” já possuem grandes perspetivas. Para além de todo o trabalho envolvendo a sustentabilidade, e seguindo sempre o mote “construir paredes com um propósito”, possuem uma grande vontade em ajudar aqueles que mais precisam, tijolo a tijolo (“one brick at a time”).

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter