Rio Ave investe 10,5 milhões de euros no regresso à I Liga

Rio Ave 2

Está aprovado o orçamento do Rio Ave para a época 2022/2023.

Em assembleia geral, os sócios aprovaram por larga maioria (com uma abstenção) o orçamento da SDUQ que prevê receitas na ordem dos 10,5 milhões de euros.

A grande fatia vem dos direitos de transmissão televisiva e a restante chega através de publicidade e da transferência de jogadores.

São mais três milhões de euros do que na época passada.

Rio Ave investe 10,5 milhões de euros no regresso à I Liga

Numa sessão focada na apresentação, análise e votação do Plano de Atividades e Orçamento de Base Zero, para a época 2022/2023, os sócios tiveram oportunidade de fazer perguntas e receber esclarecimentos sobre os mais variados assuntos relativos à vida do clube, nomeadamente nos temas relativos à equipa principal, sub23, futebol de formação, futebol feminino e futsal.

Na introdução à apresentação dos documentos, o presidente da direção, António da Silva Campos, registou os desafios que o clube teve de ultrapassar na última época, enaltecendo o papel dos sócios e adeptos na caminhada da equipa até à subida e ao título de campeão, propondo um voto de louvor, como reconhecimento da sua dedicação e empenho em torno do Rio Ave FC, o que foi unanimemente aceite.

António Campos recordou o trajeto das equipas de sub23, futebol feminino e futebol de formação, sublinhando os feitos alcançados bem como a formação de novos jogadores e sua valorização, com repercussão, por exemplo, na cada vez mais frequente convocatória às seleções nacionais.

Enalteceu as cinco estrelas com que a Federação Portuguesa de Futebol voltou a classificar o Rio Ave e lamentou a despromoção no futsal, garantindo uma reestruturação que volte a colocar a equipa no lugar que merece.

Sobre a temporada 2022/2023, o presidente do Rio Ave apelou à compreensão de sócios e adeptos para um momento de consolidação do clube na 1ª Liga, referindo que “é importante manter o elo de ligação que saiu fortificado da última época e que precisa de se dar continuidade ao crescimento da ‘onda verde’”.

A finalizar, António Campos manifestou vontade em terminar, brevemente, a “já muito avançada construção” do edifício da Academia, que tem grande parte dos seus espaços já em utilização, além da construção da projetada nova bancada, no estádio, embora esse projeto deva avançar apenas “quando tivermos a segurança de que financeiramente isso não põe em causa a vida do clube e o seu futuro”.

Região norte e Madeira com as maiores quebras de natalidade em 2021

Partilhar:
Subscreva a nossa Newsletter