Presidentes da Maia e de concelhos vizinhos com remuneração no escalão Mais Elevado

Silva Tiago_imagem de arquivo edit
As remunerações dos presidentes de Câmara da Maia e concelhos vizinhos encontram-se no nível mais elevado. Com exceção da Trofa, que está no nível intermédio, os autarcas da região auferem rendimentos no nível dos municípios com mais de 40 mil eleitores, o que corresponde a 50% do salário do Presidente da República.
O valor do vencimento base (bruto) indicado na tabela salarial dos presidentes de Câmara (divulgada pela Associação Nacional de Municípios) inclui os subsídios de férias e de natal. Mas a remuneração de um presidente tem ainda outra componente: as despesas de representação, pagas em 12 meses.
No país há 64 municípios em que os presidentes de Câmara têm uma remuneração bruta que é pelo menos 50% do salário ilíquido do Presidente da República.

 

Há duas exceções a esta regra. Em Lisboa e no Porto, os salários brutos dos autarcas são 55% do vencimento do PR.
Nestes 64 concelhos, um presidente tem uma remuneração total bruta de 4.749,58 euros (3 635,28 euros de vencimento base + 1 114,3 euros de despesas de representação).
Depois existem 121 autarcas no nível intermédio – a sua remuneração total bruta é de 4.274,63 euros (3 271,75 euros + 1 002,88 euros).
Nos restantes concelhos, o valor ascende a 3.799,67 euros (2 908,22 euros + 891,45 euros).
Em Lisboa e no Porto, quem lidera a Câmara municipal tem uma remuneração total de 5.224,55 euros.
Concelhos onde os autarcas têm remuneração de nível Mais Elevado (Total bruta 4.749,58 euros):
Maia, Valongo, Matosinhos, Vila do Conde, Santo Tirso.
Concelho onde o autarca tem remuneração de nível Intermédio (Total bruta 4.274,63 euros):
Trofa
Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter