“Predador” da Net que usava nome de jogador do Sporting para obter favores sexuais é de Vila do Conde

PJ detém principal suspeito do homicídio nos festejos do título do FC Porto
imagem de policiajudiciaria.pt

Um pescador, de 29 anos, residente em Vila do Conde, foi detido pela Polícia Judiciária por usar as redes sociais para chantagear “até à exaustão” jovens das zonas Norte e Centro, exigindo-lhes favores sexuais e extorquindo-lhes dinheiro. Usava a identidade de um atleta do Sporting para abordar as vítimas.

Além de usar o nome de uma jovem promessa leonina, o arguido também se intitulava empresário ou intermediário de futebol para aliciar as vítimas, num primeiro contacto, nas redes sociais.

Depois, sempre sob falsas identidades, levava as jovens com idades entre os 13 e os 23 anos a enviar-lhe fotos ou vídeos mais íntimos. Convencidas que estavam estabelecer uma relação com uma pessoa bem intencionada e mediática, as vítimas acabavam por enviar as fotos.

Em comunicado, a PJ explica que o homem “confrontava as potenciais vítimas com o facto de possuir fotografias delas, em situações comprometedoras e de natureza sexual, para através de chantagem e coação lhes extrair mais conteúdos de natureza idêntica”.

Com a sua conduta, levou algumas das vítimas, “aterrorizadas com as consequências da eventual divulgação dos conteúdos, a cederem a manter relações sexuais com o arguido”, relata a polícia.

O arguido também obrigava as jovens a fornecerem-lhe as passwords de acesso aos seus perfis das redes sociais, que usava para angariar mais vítimas, “fazendo-se passar por pessoa real e de confiança”.

Em causa está a prática dos crimes de violação, extorsão, pornografia de menores e outros de natureza informática.

A PJ diz não poder ainda quantificar quantas jovens foram alvo do predador, “apelando a eventuais vítimas deste agressor que apresentem as respetivas denúncias”, permitindo deste modo “responsabilizá-lo criminalmente pelo maior número de crimes cometidos”.

Ainda não foi divulgado o resultado do primeiro interrogatório judicial.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter