“Os executivos estão no poder, mas não são o poder, o poder são as pessoas” – entrevista a João Paulo Alves, candidato do PAN a Vila do Conde c/ Podcast

João Paulo Alves
Entrevista a João Paulo Alves, candidato do PAN à Câmara de Vila do Conde.
João Paulo Alves, 36 anos, é rececionista e auditor noturno, candidata-se pelo PAN à Câmara de Vila do Conde. Trata-se da primeira candidatura do partido à Câmara e Assembleia Municipal do concelho.
Desde 2019 que João Paulo Alves aderiu ao PAN e refere que tem sido “uma aprendizagem e um orgulho constante” no que respeita à “defesa das causas que o PAN representa, não só no que concerne aos animais e ambiente, mas também às pessoas e seus problemas”. O candidato considera que “o PAN é o único partido que conseguirá dar respostas a estes problemas em Vila do Conde”.
“Nascido e criado no concelho”, João Paulo Alves afirma-se conhecedor da sua terra e das suas necessidades, para as quais naturalmente já “tinha pensamento crítico antes de aderir ao PAN”. O partido surge como um meio de dar voz ao que sentia. Identifica-se com o pilar de objetivos do PAN, isto é, Pessoas, Animais e Natureza, de um ponto de vista “ecocêntrico” de atuação.
Executivo de Vila do Conde tem estado “fechado”
João Paulo Alves afirma que o executivo de Vila do Conde tem estado “fechado”, “não dialoga com a população”, “não procura colocar nas mãos das próprias pessoas aquilo que serão propostas para as soluções para os problemas que lhes são próximos”. Assim, promete uma postura diferente: “nós ouviremos as pessoas, trabalharemos em proximidade com a comunidade vilacondense, de maneira que as suas preocupações sejam ouvidas, para em conjunto podermos dar voz e soluções para esses problemas”. Costumamos dizer que “os executivos estão no poder, mas não são o poder, o poder são as pessoas”.
Mesmo não estando no poder, João Paulo Alves garante que “no PAN têm escutado as pessoas”, de resto, o partido tem sido procurado por muita gente que quer saber se “o PAN pode ajudar a encontrar soluções para os seus problemas”, o que, diz o candidato, “nos dá confiança”.
O próprio nome “NATURCONDE” pretende “fazer esquecer o caráter de área protegida” da ROM
O PAN tem feito intervenções a propósito da Reserva Ornitológica de Mindelo (ROM), por considerar que a Câmara de Vila do Conde tem intenções de tornar aquela zona, no futuro, numa “grande área de lazer e turismo em grande massa”, o que é “um profundo desrespeito” pela ROM indo contra o “fundamento daquela área protegida”.
João Paulo Alves aponta que o próprio nome do projeto “NATURCONDE” pretende “fazer esquecer o caráter de área protegida” para a “tornar numa zona de turismo alargado”. Lembra que a Câmara, no âmbito desse novo projeto, já levou a cabo o abate de centenas de árvores, muitas delas autóctones e numa fase de nidificação das aves”.
Em contrapartida adianta que há várias “outras formas de revitalizar e dinamizar aquela área e deixar que a Natureza consiga recuperar décadas de maus tratos”.
O candidato do PAN defende que se trate melhor o arvoredo urbano, não encarando as árvores “apenas como ornamento” nem fazendo “podas severas”, como aconteceu com as árvores nos jardins da Avenida Júlio Graça, critica. Tendo em conta o respeito pelo Ambiente numa perspetiva de combate às alterações climáticas, esta visão de árvores como ornamentos na cidade tem que mudar para as encararmos como “elementos fundamentais de combate à crise climática”.
Vila do Conde será uma das cidades portuguesas que mais será afetada pelas alterações climáticas, de acordo com os cientistas, pelo que João Paulo Alves quer pensar o concelho não apenas a quatro anos, mas a longo prazo, a pensar “nas próximas gerações”.
Aponta também a importância de olharmos para os transportes públicos, pois “não existe um serviço de qualidade”, colocando uma diferença enorme entre cidadãos do centro da cidade e os das freguesias. Há “enormes custos para o Ambiente” e “na qualidade de vida e acesso a bens essenciais para a população” por não haver um sistema eficaz de ligações de transporte público.
Política animal tem que ser mais eficaz e a Juventude tem que ser escutada
Centro de Recolha Oficial de Animais tem várias falhas, aponta o candidato do PAN. Logo para começar, falta uma casa de banho para funcionários e visitantes, e Recursos Humanos. A situação arrasta-se há anos, pelo que o PAN quer um CROA que dê verdadeira resposta aos problemas dos animais, defendendo um “trabalho em conjunto” entre o município, os Serviços Veterinários municipais e os serviços de proteção animal sem fins lucrativos.
João Paulo Alves afirma que o concelho deve ter um programa CED (de controlo de colónias de gatos de rua) muito mais abrangente do que aquele que existe e cuja adesão deu-se recentemente, em 2019. Até agora a esterilização de gatos de rua, limitou-se a uma “média de 1 por semana”. E os voluntários que colaboram com o programa como cuidadores de animais de rua veem-se obrigados a custear vários dos tratamentos veterinários e a “colocar o chip nos gatos em seu próprio nome”.

Sendo um jovem candidato entende que “é preciso escutar a juventude” e não sente que isso esteja a acontecer. Pelo contrário, os jovens são “muitas vezes afastados por se considerar que não têm opinião”. João Paulo Alves assegura que se ouvirmos a juventude, “estaremos a trabalhar para um futuro melhor”. Aliás, frisa, “os políticos já com experiência não foram capazes de resolver estes problemas de que estamos aqui a falar”.
Não existe “um histórico do PAN no poder em Vila do Conde, mas existe uma grande vontade de demonstrar as nossas políticas. As pessoas conhecem o valor do PAN a nível nacional e sabem muito bem o que é possível fazer em Vila do Conde”, remata João Paulo Alves.
Entrevista na íntegra (áudio):
Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter