Maia apresenta-se na QSP Summit com um stand promocional e três empresas

Foto_A Santos
Esta quinta e sexta-feira, empresários, gestores e pensadores, num total de 2500 participantes, marcam presença em mais uma edição da QSP Summit, que decorre na Exponor, em Matosinhos.
A QSP é considerada a mais relevante Conferência de Management e Marketing da Europa. O município da Maia está presente, assim como três empresas do concelho, a Whego, a Mindprober e a LabelLandPack.
A Maia marca presença neste encontro, através da participação do Maia GO – o gabinete de apoio ao investimento do Município. O Stand, com envolvência de luz vermelha, é acolhedor e convidativo a visualizar um filme sobre a Maia, sua história e potencialidades atuais.
A estrutura que representa o município possui ainda um balcão com tampo digital tátil, em que é possível aceder ao portal do município na internet.
O presidente da Câmara, Silva Tiago, esteve presente numa das conferências desta quinta-feira e depois visitou o stand da Maia, tendo aproveitado também para visitar os pontos de promoção das três empresas, que começaram como Start-up no concelho, conversando com os seus criadores para conhecer melhor estes negócios.
Em declarações à imprensa, Silva Tiago apontou que a Câmara da Maia “apoia este evento, que já vai na 14ª edição”, sendo importante a autarquia marcar presença até porque é um dos concelhos “mais pujantes” ali representado. O autarca adianta até que a Maia “é capaz de ser o maior concelho da região Norte, em termos empresariais, pois tem mais de 26 mil empresas”.
Deste modo, constata Silva Tiago, “a QSP Summit é uma forma importante de comunicarmos e projetarmos a potencialidade que a Maia tem na região Norte”.
Como autarca, Silva Tiago sublinhou ser importante colocar o “potencial do concelho acessível aos cidadãos para que possam investir e criar riqueza para o bem de todos”. O concelho é competitivo em termos da política fiscal praticada, considera o edil, que exemplifica com algumas medidas implementadas: “criámos nos últimos tempos mais de uma dúzia de ARU (Área de Reabilitação Urbana) onde o IVA baixa de 23% para 6%; o IMI também acompanha essa tendência, pois temos vindo a baixar esta taxa gradualmente todos os anos e já somos dos concelhos que têm a menor taxa de IMI; o mesmo acontece com a derrama, temos vindo a baixar anualmente para que as pequenas empresas com volume de negócios até 150 mil euros por ano possam ter isenção”.

 

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter