Família afegã fugida do regime talibã começou a viver na Maia esta quinta-feira

familia afega

Uma família refugiada afegã de oito elementos começou ontem a viver numa casa na Maia, passando a partilhar o espaço com outra, síria, acolhida em dezembro, no âmbito da colaboração do Estado português com as Nações Unidas.

 

Os Hussaini Changiz deixaram esta quinta-feira o Centro de Acolhimento para Refugiados Afegãos – Francisco e Jacinta Marto, em Fátima, para passarem a viver numa casa em Castelo da Maia, junto à linha do comboio e com galinhas e patos como outros vizinhos.

 

Com idades entre os 55 e os 5 anos, a família obrigada a fugir de Cabul, chegou à Maia através da Associação de Proprietários da Urbanização de Vila D’Este, que, enquanto instituição de acolhimento, transportou mais duas famílias daquele país para habitações no Freixieiro, em Matosinhos, e Oliveira do Douro, em Vila Nova de Gaia.

Ao todo foram 15 os refugiados afegãos instalados esta quinta-feira em casas do Grande Porto.

 

António Moreira, responsável daquela associação, explicou à Lusa que a família de refugiados afegã “terá durante um ano habitação e subsistência garantida por um fundo da plataforma de apoio a refugiados e dos jesuítas”.

 

“Esperamos que ao fim desse ano tenham autonomia social e profissional para que se possam autonomizar”, disse, acrescentando que a família vai “frequentar o curso ‘Português para todos'” a fim de garantir as capacidades para poder vir a integrar o mercado de trabalho e obter a autonomia no prazo definido.

 

Na carrinha que viajou desde Fátima lotada com as malas que conseguiram trazer quando fugiram de Cabul havia “um cabaz de alimentos”, uma espécie de boas-vindas aos Hussaini Changiz na chegada à Maia. A partir de agora, “a gestão passa a ser deles”, frisou António Moreira.

 

Shahreza, de 16 anos, foi o porta-voz na conversa em inglês com a agência Lusa, tendo começado por contar estarem em Portugal “há dois meses”, depois de a fuga do Afeganistão ter ditado a passagem pela “Geórgia antes de rumarem a Lisboa”, num trajeto onde, assinalou, tiveram o “apoio de um norte-americano”.

 

“Desde que chegámos a Portugal conhecemos várias pessoas que foram boas para nós e nos ajudaram e a quem agradeço”, continuou o único filho do sexo masculino da família e que mostrou ter os seus objetivos muitos definidos.

 

Por esta ordem, Shahreza disse que “quer jogar futebol no F. C. Porto, prosseguir os estudos e seguir para a universidade para se tornar uma boa pessoa para Portugal”.

 

E se o “maior desafio” foi ter deixado o seu país, o jovem espera um dia poder voltar, mas já considera Portugal a sua “segunda casa”, disse depois de na associação de acolhimento terem cumprido mais um aspeto burocrático, a impressão dos passaportes para posterior registo ao nível das Finanças e Segurança Social, do que esperam possa ser o recomeçar de uma nova vida.

“Estou muito contente, ao fim de quatro meses temos a nossa casa e é aqui que quero recomeçar a minha vida”, disse, minutos depois de tomar contacto com a sua nova habitação e ficar surpreendido com o número de galinhas, garnisés e patos existentes no quintal da casa.

 

Nessa habitação, para facilitar a transição, tiveram a recebê-los a família de Zaher, também refugiada, mas da Síria, e há um mês ali alojada.

“Estou aqui há um mês. É bom ter aqui uma nova família, amigos”, começou por dizer à Lusa enquanto ajudava a descarregar a carrinha acabada de chegar.

 

Sobre as dificuldades que os esperam, minimizou, preferindo elogiar as ajudas que tem recebido: “estamos a aprender a língua [portuguesa] e toda a gente me ajuda sempre que tenho de ir a algum lado e eu vou ajudá-los da mesma maneira”.

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter