Centro Comunitário Vermoim/Sobreiro tem utentes envolvidos numa oficina de Marionetas

fotos Patrícia Stanton

O Centro Comunitário Vermoim/Sobreiro, na Maia, possui diversas iniciativas direcionadas a todas as idades. Recentemente, adicionou o teatro de marionetas ao seu plano de atividades, que pretende envolver seniores e crianças, na produção de um espetáculo inspirado na vida do poeta, Luís de Camões.

O Primeira Mão teve a oportunidade de assistir a uma das sessões de construção das marionetas destinada aos seniores, orientada pela equipa coordenadora, a companhia Teatro de Marionetas Mandrágora.

O CC Vermoim/Sobreiro começou a promover atividades ocupacionais no ano de 2017, para “trabalhar idosos isolados e vulneráveis”, contou Célia Ferreira, que integra a equipa do CC Vermoim/Sobreiro. Assim sendo, “vêm para o centro ter várias atividades como a motricidade, manualidade, informática, clínica da memória, Boccia e passeios”.

A reabertura do centro após o período de confinamento trouxe consigo, ainda que a meio gás, o recomeço de algumas atividades e segundo Célia, o CC Vermoim/Sobreiro uniu-se a uma companhia de teatro no sentido de “apresentar uma peça de marionetes em outubro, com a participação dos seniores e de crianças que vêm para aqui” no período do verão.

Um projeto adiado devido à pandemia

Carla Ribeiro faz parte do Teatro de Marionetas Mandrágora e surge como monitora da ação coordenadora desta iniciativa. De acordo com ela, “este projeto foi aprovado o ano passado, mas foram feitos adiamentos até chegar a esta fase, em que era possível realizá-lo com as pessoas de idade”.

Com todos os cuidados e com o devido distanciamento, “estamos a trabalhar as artes plásticas na área da construção de marionetas”, explica Carla Ribeiro. E o objetivo é “trabalhar com as marionetas de vara, o teatro de sombras, a manipulação e a interpretação, porque a ideia é criar um espetáculo final inspirado na vida de Luís Vaz de Camões”.

Apesar desta atividade pretender aproximar toda a comunidade do CC Vermoim/Sobreiro, os cuidados de higiene e o distanciamento ainda são cumpridos com todo o rigor. “As mesas e os materiais são desinfetados”, “existe um kit individual” e para facilitar o processo, a equipa dividiu as sessões entre a manhã e a tarde, sendo que cada uma tem a duração de duas horas.

Seniores desejosos por retomar as atividades

Antonieta Martins é uma das seniores que se encontra envolvida neste projeto. à conversa com o Primeira Mão, confessa que o confinamento “foi muito mau”. Por ser bastante ativa, Antonieta diz ter sentido muita falta da companhia dos seus colegas. Os seus olhos e a sua emoção não escondem o sorriso que traz por baixo da máscara, por estar de regresso a este lugar.

Ainda que nem tudo seja igual ao passado, o CC Vermoim/Sobreiro quer continuar a proporcionar uma vida melhor a estas pessoas, trazendo cada vez mais projetos que possam tornar os seus dias igualmente completos, dinâmicos e alegres.

 

 

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter