Câmara mantém composição na Maia com Silva Tiago (PSD/CDS-PP) reforçado e Francisco Vieira de Carvalho (PS) a perder votos

O executivo da Câmara Municipal da Maia mantém a composição de 6 vereadores para Maia em Primeiro (PSD/CDS-PP) e 5 para o PS.

A coligação maioritária encabeçada por Silva Tiago, que se mantém como presidente da Câmara da Maia, obteve maioria absoluta com 40,42% (24.732 votos), ficando o PS com 32,26% da votação (19.740 votos).

Silva Tiago

De registar que o PSD/CDS-PP e Silva Tiago reforçaram a percentagem de votação relativamente há 4 anos (que foi de 39,95%), ainda que com menor número de votos, pois em 2017 obteve 25.774 votos.

 

O PS tinha conquistado há 4 anos 36,63% (23.634 votos) e desta vez obteve 32,26% e 19.740 votos.

Se há 4 anos as duas candidaturas ficaram separadas por 2.140 votos, desta vez a diferença a favor da maioria de Maia em Primeiro foi de 4.992 votos.

A Câmara Municipal da Maia terá até 2025 apresenta a seguinte configuração:

6 Mandatos Maia em Primeiro:

1- António Silva Tiago – Presidente

2- Emília Santos

3 – Mário Neves

4 – Paulo Ramalho

5 – Marta Peneda

6- Hernâni Ribeiro

5 Mandatos PS:

1 – José Francisco Vieira de Carvalho

2 – António Leite Ramalho

3 – Sandra Lameiras

4 – Paulo da Rocha

5 – António Peixoto

 

O BE (com Silvestre Pereira) manteve-se como o terceiro partido mais votado para a Câmara Municipal, logo seguida da CDU (com Alfredo Maia), mas ambos tiveram menos votos que há 4 anos.

 

O BE ficou com 3.159 votos (5,16%) e a CDU com 4,81% (2.946 votos).

 

O Chega conquistou 3,85% da votação (2.355 votos). O PAN atingiu 3,74% da votação (2.291 votos).

Segue-se a Iniciativa Liberal (com Mariana Silvestre, que atingiu 3,66% da votação (2.240 votos) e, finalmente, o PPM (do candidato Fontes Maia) com apenas 128 votos (0,21%).

Dos 116.981 inscritos votaram 61.194 eleitores, o que coloca a abstenção em 47,69%.

Brancos – 3,96% (2.425 votos) e Nulos – 1,93% (1.178 votos).

Maia em Primeiro conquistou as Juntas de Freguesia com exceção de Águas Santas que continua a ser do PS

 

A coligação Maia em Primeiro conquistou a maioria dos votos na eleição das Assembleias de Freguesia para 9 Juntas de Freguesia do concelho, continuando Águas Santas com maioria do PS. Mas nem todas as assembleias de Freguesia conquistaram maioria absoluta.

As novas conquistas de Maia em Primeiro são Vila Nova da Telha e Milheirós, onde os presidentes de Junta se recandidataram através do PSD/CDS-PP abandonando as anteriores forças políticas, no caso de Joaquim Azevedo de Vila Nova da Telha, a lista independente, e no caso de Maria José Neves em Milheirós, a coligação PS/JPP de há quatro anos.

Desta vez, com a nova bandeira de Maia em Primeiro, ambos conquistaram a maioria absoluta.

 

Em Milheirós, o PSD/CDS-PP atingiu 48,48% e o PS conquistou 37,54% (4 mandatos).

Maria José Neves

 

E em VN Telha, o PSD/CDS-PP atingiu 44,52% (7 mandatos), o PS conquistou 27,38% (4 mandatos), ficando em terceiro lugar a coligação NC/RIR com 13,02% (378 votos) e conseguindo 2 mandatos.

Joaquim Azevedo

Os novos rostos na presidência da Junta apresentam-se em Pedrouços e S. Pedro Fins, ambas conquistadas por mulheres, candidatas por Maia em Primeiro.

Em S. Pedro Fins, Raquel Freitas é a nova presidente da Junta com maioria absoluta. Maia em Primeiro conseguiu 57,93% (6 mandatos) e o PS ficou com 31,06% (3 mandatos).

Raquel Freitas

Já em Pedrouços, Isabel Carvalho pela Maia em Primeiro ganhou, mas sem maioria absoluta, atingindo 36,55% da votação e 6 mandatos. Mas há outros 7 mandatos na Assembleia de Freguesia:

PS (lista encabeçada por Sara Queilo) – 22,56% (3 mandatos)

Independente (lista encabeçada por Hugo Salgueiro) – 18,75% (3 mandatos)

CDU (lista encabeçada por Joaquim Azevedo) – 6,75% (1 mandato)

Isabel Carvalho

 

Também na Cidade da Maia, a votação de 42,20% de Olga Freire e Maia em Primeiro não chegou para maioria absoluta, tendo conquistado 9 mandatos, mas PAN (5,24%) e Chega (4,53%) também conquistaram lugares (1 cada), além das forças políticas já representadas na Assembleia de Freguesia desde há 4 anos: PS (29,52%), BE (6,51%) e CDU (5,05%).

A Assembleia de Freguesia da Cidade da Maia ficou assim representada: Maia em Primeiro (9 mandatos), PS (6 mandatos), BE (1 mandato), PAN (1 mandato), CDU (1 mandato) e Chega (1 mandato).

Olga Freire

 

No Castelo da Maia, Manuel Azenha pela Maia em Primeiro ganhou, mas não tem maioria absoluta.

Com 35,34% da votação, Maia em Primeiro tem 6 mandatos, mas há outros 7 mandatos distribuídos por PS (31,63% e 5 mandatos) e a candidatura Independente CC – Fernando Ferreira (12,44% da votação e 2 mandatos).

Manuel Azenha

 

Águas Santas continua a ser gerida pelo PS e o presidente Miguel dos Santos, mas sem maioria absoluta.

Os socialistas conquistaram 40,59% da votação e 9 mandatos, mas existem 10 mandatos distribuídos da seguinte forma: 7 mandatos para Maia em Primeiro (34,83% dos votos), 1 mandato para BE (7,67% dos votos), 1 mandato para a CDU (com 6,13% dos votos) e 1 mandato para o Chega (com 4,69% da votação).

Miguel Santos

Nas restantes freguesias a maioria absoluta foi conseguida pelos candidatos de Maia em Primeiro:

 

Folgosa – Maia em Primeiro elege 6 mandatos (49,37%); PS elege 3 (32,78%)

Vítor Ramalho

 

Moreira – Maia em Primeiro consegue 8 mandatos (52,19%); PS elege 4 mandatos (26,60%); BE elege 1 mandato (6,20%)

Carlos Moreira (Cali)

 

Nogueira e Silva Escura – Maia em Primeiro conquista 7 mandatos (46,81%); PS fica com 6 mandatos (36,59%)

Ilídio Carneiro

Presidentes de Junta continuam a ser o apoio para fazer a maioria na Assembleia Municipal da Maia

Na Assembleia Municipal Maia em Primeiro (lista encabeçada por Bragança Fernandes) consegue a maioria absoluta apenas contando com o apoio dos 9 presidentes de Junta eleitos pela coligação PSD/CDS-PP, já que em número de deputados não consegue a maioria simplificada.

Bragança Fernandes

Em 33 mandatos, Maia em Primeiro elege 15, os mesmos mandatos conseguidos há 4 anos.

O PS perdeu um deputado relativamente a 2017, em vez de 13 elegeu 12 membros para a AM.

O BE manteve os mesmos mandatos (2), o mesmo acontecendo com o PAN, que mantém 1 deputado, enquanto a CDU perdeu um deputado, apenas elegendo um representante para este órgão.

Entretanto, a AM ganha novos representantes: Chega e IL conquistaram 1 elemento cada.

Assim, a composição de mandatos na AM é a seguinte:

Maia em Primeiro: 15 mandatos (39,17% da votação)

PS: 12 mandatos (31,10%)

BE: 2 mandatos (5,83%)

CDU: 1 mandato (5,17%)

PAN: 1 mandato (4,50%)

CH: 1 mandato (4,25%)

IL: 1 mandato (4,04%)

Presidentes de Junta eleitos pelo PSD/CDS: 9

Presidentes de Junta eleitos pelo PS: 1

 

 

Partilhar:
  •  
  •  
  •  
  •  
Subscreva a nossa Newsletter