Adidas vai despedir 300 trabalhadores no TecMaia

Adidas_tecmaia

A marca de origem alemã vai cortar 300 postos de trabalho no centro de serviços partilhados, que mantém na Maia desde 2009. No entanto, a empresa descarta sair de Portugal em definitivo.

A marca alemã de vestuário desportivo confirmou ao Observador que haverá “mudanças na estrutura organizacional” no Global Business Services (GBS) que mantém na zona do Grande Porto, concretamente no TecMaia, que vão levar ao corte de, pelo menos, três centenas de postos de trabalho.

Após uma denúncia anónima, que chegou às redações neste domingo, que mencionava o despedimento de 500 trabalhadores, fonte oficial da Adidas confirma os cortes, justificados com o “desenvolvimento futuro das funções de serviços partilhados da Adidas”.

A empresa revela que está previsto que, “no futuro, certas tarefas” venham a ser desempenhadas “noutras localizações fora de Portugal”, e, numa segunda fase, “novas responsabilidades serão criadas no Porto”.
A empresa afiança que “o Porto vai continuar a desempenhar um papel importante” para a Adidas.

A dispensa de colaboradores deverá ser concretizada até ao verão do próximo ano. Os trabalhadores afetados já foram informados pela marca, na semana passada, sobre o corte dos respetivos postos de trabalho.
A Adidas diz que “lamenta o impacto que a decisão poderá ter nos trabalhadores” e afirma estar a “tentar encontrar soluções justas para todos os trabalhadores afetados em conversas pessoais”. Destaca ainda que “uma possível transferência para outra posição no Porto terá prioridade”.

A empresa tem, atualmente, 50 vagas abertas para o centro da Maia, em áreas tecnológicas mas também de recursos humanos e contabilidade.
O Observador tentou contactar os responsáveis pela empresa em Portugal, mas os esclarecimentos foram remetidos para a casa mãe, na Alemanha. Também contactada, fonte oficial do TecMaia, onde está instalada a empresa, num edifício próprio, também remeteu esclarecimentos para a Adidas.

A Adidas instalou-se no TECMAIA em 2009, com um centro de serviços partilhados, focado nas áreas de faturação e gestão de pessoas.

O projeto arrancou com 12 pessoas e em 2019 tinha cerca de 400. Nesse mesmo ano, segundo o Dinheiro Vivo, a empresa planeava duplicar o número de colaboradores em Portugal, para cerca de 800. Foi nesse ano que a Adidas inaugurou, no TecMaia, um edifício próprio, com capacidade para 750 pessoas.

Partilhar:
Subscreva a nossa Newsletter